18 Set 2021
São José de Cupertino, presbítero (+1663)
Imagem do santo do dia

O menino José Desa São Jose de Cupertino nasceu na aldeia napolitana de Cupertino. Nasceu num estábulo, uma vez que sua mãe, Francisca, teve que se refugiar aí, por causa da ordem de despejo, por não poder pagar a renda da casa. Sua mãe educou-o com dureza e algumas noites teve de dormir no átrio da igreja como castigo. Isto proporcionou-lhe uma grande força de caráter.

Era muito curto de inteligência, mas Deus realizaria nele maravilhas. Foi um grande taumaturgo. A custo aprendeu a ler. Trabalhou numa sapataria, mas foi despedido. Caiu doente e viu-se curado pela Virgem Maria, milagrosamente.

Só servia para rezar e mortificar-se. Aos 17 anos entrou nos franciscanos. Fazia tudo mal. Nem sabia descascar batatas. Mas já então andava embrenhado com o pensamento em Deus. Foi despedido, por inútil.

Entrou nos capuchinhos. A mesma experiência: muito piedoso, mas esquecia-se de tudo e tudo lhe saía mal. Foi uma vida de humilhações. Outra vez teve que sair. foi admitido novamente nos franciscanos, como oblato, para cuidar de uma mula. Foi-lhe concedido aspirar ao sacerdócio. Os estudos foram um suplício. Cada exame era um fracasso. Mas os seus progressos na virtude eram extraordinários. Vivia quase num constante êxtase.

O próprio Bispo quis examiná-lo para as ordens. Escolheu o Evangelho ao acaso e saiu-lhe o único texto que ele sabia explicar. Era sobre a Virgem Maria, a quem tinha grande devoção: ditoso o ventre que te trouxe. Traduziu-o, comentou-o e foi admitido ao pres¬biterado. Atribuiu-o à Virgem.

Desde então, os êxtases e os favores milagrosos a quantos acudiam a ele, multiplicaram-se. Tais fatos taumatúrgicos originaram invejas. Foi denunciado à Inquisição e citado em juízo.

Os inquisidores examinaram-no a fundo durante duas semanas, em longas sessões. Interrogaram-no sobre as questões teológicas mais intrincadas e a todas respondeu com acerto, pelo que proclamaram a sua inocência e sabedoria e a ciência infusa que demonstrava.

A fama dos seus milagres estendia-se. Tinha também predileção pelos animais, como sucede aos santos mais simples, e com eles realizou autênticos milagres. O Ministro Geral da Ordem chamou-o a Roma. Os êxtases multiplicaram-se. Até aconteceu um diante de Urbano VIII, que o recebeu em audiência. Parecia que o seu corpo mortificado estava fora das leis da gravidade. Ele não dava importância; considerava-se o último de todos e chamava-se a si mesmo, não frei José, mas frei Asno.

Esteve uns anos no convento de Assis. No princípio sofreu tentações e doenças. Desde menino tinha sido muito achacado. A natureza tinha-o tratado muito mal. Depois realizou os milagres em Assis e conciliou as discórdias, pelo que o proclamaram filho adotivo.

Sofreu novamente incompreensões e tentações, mas de todas o livrou o Senhor. Celebrava a missa com extraordinário fervor. Era a admiração de todos. Ao chegar a hora da morte, da qual tinha sido avisado, recebeu o viático em transportes de alegria.

As suas últimas palavras foram para a Virgem: Monstra Te esse Matrem, mostra que és minha mãe. A 18 de Setembro de 1663, entregou a sua alma a Deus. Contam os frades que aquele perfume milagroso que denunciava a sua presença nos conventos se difundiu então e durou muitos anos.

Oração São Cupertino

Gloriosíssimo São José de Cupertino, protetor dos estudantes, não desprezeis as súplicas que os dirijo implorando vosso auxilio nas provas de meus estudos.

Alcançai-me do Senhor que, como verdadeira fonte de luz e sabedoria, dissipe as trevas de meu entendimento, o pecado e a ignorância, instruindo minha língua e difundindo em meus lábios a graça de sua benção.

Dai-me agudeza para entender, capacidade para reter, método e faculdade para aprender, sutileza para interpretar, e no momento do exame, graça e abundancia para falar, acerto ao começar, direção ao continuar e perfeição ao acabar, se assim convém a maior glória de Deus e proveito de minha alma. Amém.