13 Jun 2024

Santo Antônio de Pádua 1Rs 18,41-46

41Então, Elias disse a Acab: “Vai, come e bebe, porque já ouço o ruído de uma grande chuva”.

42Voltou Acab para comer e beber, enquanto Elias subiu ao cimo do monte Carmelo, onde se encurvou por terra, pondo a cabeça entre os joelhos.

43Disse ao seu servo: “Sobe um pouco e olha para as bandas do mar”. Ele subiu, olhou o horizonte e disse: “Nada”. Por sete vezes, Elias disse-lhe: “Volta e olha”.

44Na sétima vez, o servo respondeu: “Eis que sobe do mar uma pequena nuvem, do tamanho da palma da mão”. Elias disse-lhe: “Vai dizer a Acab que prepare o seu carro e desça para que a chuva não o detenha”.

45Num instante, o céu se cobriu de nuvens negras, soprou o vento e a chuva caiu torrencialmente. Acab pulou na carruagem e partiu para Jezrael.

46A mão do Senhor veio sobre Elias, o qual, tendo cingido os rins, passou adiante de Acab e chegou à entrada de Jezrael.

Santo Antônio de Pádua Sl 64,10abcd.10e-11.12-13

Resposta: “Ó Senhor, que o povo vos louve em Sião.”

10Visitastes a terra e a regastes, cumulando-a de fertilidade. De água encheu-se a divina fonte e fizestes germinar o trigo. Assim, pois, fertilizastes a terra:

11irrigastes os seus sulcos, nivelastes as suas glebas; amolecendo-as com as chuvas, abençoastes a sua sementeira.

12Coroaste o ano com os vossos benefícios; onde passastes ficou a fartura.

13Umedecidas as pastagens do deserto, revestem-se de alegria as colinas.

Santo Antônio de Pádua Mt 5,20-26

20Digo-vos, pois, se vossa justiça não for maior que a dos escribas e fari­seus, não entrareis no Reino dos Céus.”

21“Ouvistes o que foi dito aos antigos: Não matarás, mas quem matar será castigado pelo juízo do tribunal.

22Mas eu vos digo: todo aquele que se irar contra seu irmão será castigado pelos juízes. Aquele que disser a seu irmão: imbecil, será castigado pelo Grande Conselho. Aquele que lhe disser: Louco, será condenado ao fogo da geena.

23Se estás, portanto, para fazer a tua oferta diante do altar e te lembrares de que teu irmão tem alguma coisa contra ti,

24deixa lá a tua oferta diante do altar e vai primeiro reconci­liar-te com teu irmão; só então vem fazer a tua oferta.

25Entra em acordo sem demora com o teu adversário, enquanto estás em caminho com ele, para que não suceda que te entregue ao juiz, e o juiz te entregue ao seu ministro e sejas posto em prisão.

26Em verdade te digo: dali não sairás antes de teres pago o último centavo.

Comentário:

Mas Eu digo-vos – A justiça da Lei foi excedida e completada pela nova justiça, que Jesus Cristo, o Justo, nos trouxe do Pai. Justiça quer dizer santidade, que consiste no cumprimento da sua vontade soberana. Fazendo o que Deus quer, imitando Jesus Cristo, somos santos como Ele é santo. Há uma santidade farisaica de exteriores e aparências, que Jesus condena e temos de exceder. Regras e leis são servas do Espírito, para ajudar a discernir a única lei do amor.

«Vai primeiro reconciliar-te». E só depois podemos vir prestar culto, trazendo a nossa oferta. Anda a ordem invertida e o amor equivocado. A essência da Lei consiste em amar. Se eu amar os meus irmãos, em sinceridade e verdade, amarei também a Deus, face a face. Se não prestar culto ao meu irmão, de nada me vale o culto prestado a Deus. O mais importante e urgente é amar como Jesus amou.

Mas, o amor perfeito é o amor misericordioso: perdoar e ser perdoado. Se amar os irmãos com amor misericordioso, subirá do meu altar o louvor perfeito, o «sacrifício agradável». Nas contendas fraternas o amor tem a última palavra. Com todos os meus direitos e razões, falta-me sempre uma coisa: amar. Não percamos tempo em demandas de orgulhos e pretensões de grandezas. «Ponhamo-nos depressa de acordo». Quem mais amar é que tem razão.

Fala, Senhor! A tua palavra é Lei!