18 Set 2021

24° Domingo Comum 1Tm 6, 13-16

13 Em presença de Deus, que dá a vida a todas as coisas, e de Cristo Jesus, que ante Pôncio Pilatos abertamente testemunhou a verdade,

14 recomendo-te que guardes o mandamento sem mácula, irrepreensível, até a aparição de nosso Senhor Jesus Cristo,

15 a qual a seu tempo será realizada pelo bem-aventurado e único Soberano, Rei dos reis e Senhor dos senhores,

16 o único que possui a imortalidade e habita em luz inacessível, a quem nenhum homem viu, nem pode ver. A ele, honra e poder eterno! Amém.

24° Domingo Comum Sl 99, 2-5

Resposta: “Com canto apresentai-vos diante do Senhor!”

Servi o Senhor com alegria. Vinde, entrai exultantes em sua presença.

Sabei que o Senhor é Deus: ele nos fez, e a ele pertencemos. Somos o seu povo e as ovelhas de seu rebanho.

Entrai cantando sob seus pórticos, vinde aos seus átrios com cânticos; glorificai-o e bendizei o seu nome,

porque o Senhor é bom, sua misericórdia é eterna e sua fidelidade se estende de geração em geração.

24° Domingo Comum Lc 8, 4-15

4 Havia se reunido uma grande multidão: eram pessoas vindas de várias cidades para junto dele. Ele lhes disse esta parábola: 5 Saiu o semeador a semear a sua semente. E ao semear, parte da semente caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram. 6 Outra caiu no pedregulho; e, tendo nascido, secou, por falta de umidade. 7 Outra caiu entre os espinhos; cresceram com ela os espinhos, e sufocaram-na. 8 Outra, porém, caiu em terra boa; tendo crescido, produziu fruto cem por um. Dito isto, Jesus acrescentou alteando a voz: Quem tem ouvidos para ouvir, ouça! 9 Os seus discípulos perguntaram-lhe a significação desta parábola. 10 Ele respondeu: A vós é concedido conhecer os mistérios do Reino de Deus, mas aos outros se lhes fala por parábolas; de forma que vendo não vejam, e ouvindo não entendam. 11 Eis o que significa esta parábola: a semente é a palavra de Deus. 12 Os que estão à beira do caminho são aqueles que ouvem; mas depois vem o demônio e lhes tira a palavra do coração, para que não creiam nem se salvem. 13 Aqueles que a recebem em solo pedregoso são os ouvintes da palavra de Deus que a acolhem com alegria; mas não têm raiz, porque crêem até certo tempo, e na hora da provação a abandonam. 14 A que caiu entre os espinhos, estes são os que ouvem a palavra, mas prosseguindo o caminho, são sufocados pelos cuidados, riquezas e prazeres da vida, e assim os seus frutos não amadurecem. 15 A que caiu na terra boa são os que ouvem a palavra com coração reto e bom, retêm-na e dão fruto pela perseverança.

Comentário:

Cem vezes mais — A parábola do semeador é figura da Igreja e da sua ação entre os homens. O mundo e a história são sementeira de Deus, que chama a todos à salvação. Todo o mundo e todo o tempo é terra dos seus cuidados. Não há caminhos nem durezas, onde o Senhor não semeie. Continua hoje a semear pela ação da Igreja, semeadora da graça e da verdade, cultivadas no homem pela força do Espírito. Muitos ouvem a palavra, mas nem todos a guardam e cumprem. Só frutificará em plenitude, quando se tiver cumprido em nós.

A força da semente é o dinamismo da graça, que a faz crescer e opera maravilhas. Para isso, não deixemos que a ligeireza e superficialidade venham pisar a semente divina, caída em nós. Não corramos atrás de ilusões, indiferentes às exigências do eterno e imutável. É preciso quebrar a crosta da minha mediocridade e indiferença, descer ao fundo de mim mesmo, para que o dom de Deus enraíze e cresça. Num mundo de pressas e ruídos, o que falta são silêncios e paragens.

O mundo de hoje perdeu o sentido do sagrado, e vive marcado por um ideal de vida materialista e pagão. Prazeres e riquezas sufocam à nascença a palavra da vida. Nascemos terra boa, «com um coração reto e bom», para dar fruto «com perseverança». Que a terra boa que somos não se converta em campo de joio e erva má. A nossa meta de cristãos está em render cento por um. Na humildade e no amor, em doação e renúncia, mais, mais, sempre mais.

Ó Divino Semeador, faz-me crescer e dar fruto!